TV CONSUMIDOR Bah! TV ONLINE TOP Consumidor NOTÍCIAS RECOMENDAMOS QUEM SOMOS CONTATO  
Por que o seguro de vida é sucesso em países desenvolvidos e só chega a 15% da população brasileira?
   
     
 


21/01/2022

Por que o seguro de vida é sucesso em países desenvolvidos e só chega a 15% da população brasileira?
Situação socioeconômica e falta de informação são alguns fatores que explicam a diferença na cultura de contratação de seguro de vida entre os países ricos e os países em desenvolvimento

A busca por seguro de vida durante a pandemia continua em alta no Brasil. De acordo com o relatório divulgado em outubro pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), a arrecadação referente aos seguros de pessoas atingiu a marca de R$ 15,03 bilhões nos oito primeiros meses de 2021. O valor corresponde a um aumento de 17,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo os dados, a sinistralidade do seguro de vida, nas modalidades individual e em grupo, alcançou o montante de 75,3% em agosto. Apesar do aumento registrado, uma reportagem da CNN informa que apenas 15% da população brasileira tem um plano de seguro de vida contratado.

A realidade diverge da observada em países desenvolvidos, cuja cobertura da modalidade é aderida de forma massiva. No Japão, por exemplo, a porcentagem da contratação do seguro de vida chega a 90% de toda a população, enquanto nos Estados Unidos o índice fica na margem de 70% dos habitantes. Mas por que, afinal, há tanta discrepância entre o Brasil e os países considerados ricos?

Cultura, situação socioeconômica e falta de informação

Para o advogado Antonio Penteado Mendonça, há muitos fatores que podem explicar as diferenças culturais de contratação de seguros entre moradores de países em desenvolvimento e de países desenvolvidos. “Uma resposta comum é a diferença de educação e, consequentemente, das noções de proteção e solidariedade que estão na base do seguro”, pontua ele em artigo publicado no site do Sindseg (Sindicato das Empresas de Seguros, Resseguros e Capitalização) de São Paulo.

Professor da Universidade de São Paulo e da Fundação Getúlio Vargas, Mendonça vai além em sua análise e menciona a questão da falta de informações a respeito do plano de seguro de vida. “Outra, bastante comum e relativamente verdadeira — especialmente no Brasil — é o completo desconhecimento do que seja seguro por parte importante da população”, afirma.

O especialista pondera, contudo, que a situação é mais complexa e contém outras variáveis que devem ser assimiladas para compreender o verdadeiro retrato dessa realidade referente à baixa contratação do seguro de vida no Brasil. Ele cita como exemplos a questão socioeconômica e o poder aquisitivo que podem dificultar a contratação frente a outras necessidades básicas.

Mitos e verdades sobre a contratação do seguro de vida

No que se refere à variável do desconhecimento do que é seguro de vida, conforme aponta o advogado, há muitas informações erradas e incompletas na internet que acabam reforçando a falta de compreensão de grande parte da população.

A Seguros Unimed, empresa especialista em seguro de vida, publicou um guia de mitos e verdades sobre esse tipo de contratação. A publicação elenca dúvidas comuns e apresenta as informações corretas sobre o produto.

O objetivo é ajudar os brasileiros a compreenderem se o seguro de vida vale a pena. Confira três mitos que circulam nas redes e que são esclarecidos pelo artigo.

Seguro só pode ser acionado após o falecimento do titular

De acordo com a Seguros Unimed, esse é um mito que foi reforçado durante muitos anos em virtude da publicidade vinculada à morte do segurado. Contudo, há diversas formas de cobertura, cuja apólice pode prever outros tipos de situações para receber o valor, como diagnósticos de câncer, doenças ou acidentes que provocam incapacidade laboral temporária, ocorrências que causam invalidez total ou parcial para o trabalho, além de despesas médicas e odontológicas.

Seguro de vida é muito caro

A informação de que seguro de vida é caro permeia o imaginário coletivo e pode ser considerada subjetiva, uma vez que o conceito de “caro” é diferente para cada tipo de pessoa. No entanto, segundo a publicação, a afirmativa pode ser considerada um mito se tratada como uma realidade única e absoluta. Isso porque existem diferentes tipos de planos, com preços também distintos, que variam de acordo com a apólice. Dessa forma, mesmo quem possui uma condição financeira menor tem a possibilidade de contratar um plano sem comprometer toda a renda.

Seguro de vida só é importante para quem é idoso

Trata-se de uma informação incorreta, considerando que imprevistos acontecem para pessoas de todas as idades e estados civis. Nesse sentido, o seguro de vida também é importante para pessoas jovens e solteiras. O próprio segurado pode utilizar o valor da apólice em caso de doença e acidente, além de outros serviços que podem ser contratados. Em caso de falecimento, a indenização pode ser paga para os dependentes cadastrados, como familiares ou amigos. Ou seja, não precisa apenas ter idade avançada, ser casado e ter filhos para contratar um seguro de vida.

Fonte: Assessoria de Imprensa
Autor: Gustavo Silva
Revisão e edição: de responsabilidade da fonte
Autor da foto: Divulgação


Imprimir Enviar link

   
     
 
Comentários
 0 comentários


   
       
     



     
   
     
   
     
 



























 
     
   
     
 
 
 
     
 
 
     
     
 
 
       

+55 (51) 2160-6581 e 99997-3535
appel@consumidorrs.com.br