TV CONSUMIDOR Bah! TV ONLINE TOP Consumidor NOTÍCIAS RECOMENDAMOS QUEM SOMOS CONTATO  
1° Encontro Internacional do Projeto Paciente Seguro
   
     
 


31/03/2017

1° Encontro Internacional do Projeto Paciente Seguro
Compartilhamento de iniciativas de sucesso marca evento

O compartilhamento de duas experiências estrangeiras na área da saúde marcou o 1° Encontro Internacional do Projeto Paciente Seguro, realizado nesta quinta-feira (30) e sexta-feira (31) em Porto Alegre. Também houve apresentações de resultados alcançados por 15 instituições brasileiras participantes da iniciativa. Criado para evitar eventos adversos – termo que designa complicações indesejadas decorrentes de procedimentos incorretos em pacientes –, o projeto é coordenado nacionalmente pelo Hospital Moinhos de Vento em parceria com o Ministério da Saúde.

A iniciativa oferece aprimoramento das práticas assistenciais e a organização de metodologias para o fortalecimento de uma mudança cultural para um cuidado melhor e mais seguro dos pacientes, afastando até mesmo o risco de óbitos. Por isso, o superintendente de Educação, Pesquisa e Responsabilidade Social do Hospital Moinhos de Vento, Luciano Hammes, destaca que o encontro de dois dias é um “evento para salvar vidas”.

– O Paciente Seguro é um dos maiores programas de parceria público-privada do país. Valores de impostos são transformados em projetos juntamente com o Ministério da Saúde, atendendo as necessidades do SUS – afirma Hammes.

Entre os palestrantes internacionais, Melinda Sawyer, diretora de Segurança e Educação de Pacientes da Johns Hopkins Medicine, dos Estados Unidos, apresentou um amplo estudo mostrando que a principal conquista para melhorar o cuidado com o paciente é a mudança de cultura na hora de consolidar um novo procedimento.

– É preciso engajar equipes, educar, executar e avaliar os processos adotados – diz.

– E uma dica: comecem por uma unidade. Depois ampliem para outras áreas – acrescenta.

Melinda também destacou a necessidade de transparência com toda a equipe envolvida sobre as novidades. É preciso deixar bem claro por que está se alterando um processo e por que os funcionários envolvidos precisam fazer diferente. Como exemplo, citou que a colocação de um cateter passou a ser acompanhada por um enfermeiro. Constatou-se que frequentemente ocorria uma infecção porque a ação era feita de forma incorreta.

– Da forma mais transparente possível, informamos que haveria um enfermeiro para acompanhar a colocação do cateter. Dessa forma, evitamos que informações erradas prevalecessem, já que um profissional estaria supervisionando a atividade de outro – explica.

– Muitas pessoas têm sentimento de perda quando se diz que não é para fazer mais da forma que faziam. Então, é preciso dar suporte para elas. Se não fizer isso, não vai dar certo. É necessário apontar o benefício da mudança – acrescenta.

Ainda de acordo com Melinda, erros com pacientes são a terceira causa de morte nos EUA. Com o programa adotado na instituição, chamado de CUSP, sigla para Comprehensive Unit Safety Program, houve redução de 66% na infecção sanguínea por cateter e redução de 71% nos casos de pneumonia associados ao uso de ventiladores. Anualmente, a economia para o sistema de saúde dos EUA chega a US$ 1,1 milhão com a adoção do programa.

– Queremos copiar a cultura de segurança de uma companhia aérea ou da área nuclear – destaca Melinda.

Da Espanha veio a constatação de que é importante ouvir quem está internado. Na palestra “O papel do paciente na segurança do paciente”, o psicólogo clínico José Joaquín Mira Solves, professor da Universidade Miguel Hernández de Elche, de Alicante, enfatiza que o profissional da área da saúde não deve prescindir do relato de quem recebe os cuidados.

– A ideia fundamental é que os pacientes podem atuar com uma barreira para eventos adversos. Eles colaboram para apontar fatores de riscos – afirma.
Conforme Mira Solves, a pessoa internada também está envolvida com o processo assistencial.

– Vive isso de outra óptica, mas tem uma informação valiosa se soubermos escutar – acrescenta.

O estudo acompanhado pelo psicólogo vai além do ambiente hospitalar. Para quem precisa tomar muitos medicamentos em casa – e pode se confundir com nomes de fármacos, quantidades e horários – foi lançado um aplicativo para smartphone. O programa, alimentado com os dados das prescrições, vai auxiliar a pessoa a cumprir rigorosamente o que foi determinado pelo médico.

O psicólogo ainda aponta que, se ocorrer um evento adverso, deve haver total transparência com o paciente e seus familiares. É preciso descrever o que ocorreu, suas possíveis consequências e o que será feito para solucionar o problema.

Outro relato internacional de trabalho na área de saúde, não focado exclusivamente no cuidado com o paciente, veio da África. O diretor executivo do Ubora Institute, Ernest Kanyoke, descreve como a implementação de programas de melhoria, monitoramento e avaliação diminuiu a mortalidade de crianças até cinco anos de idade.

Em Gana, entre 2013 e 2015, em um período de 2,5 anos, houve redução de 35% nessa estatística. Muitas das mortes são consequência da malária. Conforme Kanyoke, o engajamento das pessoas da área da saúde em um trabalho para melhorar os atendimentos foi crucial para a queda na taxa. O ganês acrescenta que as instituições de saúde contam com apoio de organismos internacionais, como fundações e universidades, para concretizar as melhorias.

Ainda de acordo com Kanyoke, a média em Gana é de 80 mortes a cada mil nascimento. Mas havia regiões com 120 mortes. Nessas áreas que começaram os trabalhos para reduzir a mortalidade infantil.

– Se o programa funcionar onde a situação é mais crítica, vai funcionar onde há menos recursos – observa.

O instituto conduzido por Kanyoke também conseguiu avanços nos tratamentos e cuidados de malária e HIV em países da África ocidental.

Conforme Luciana Yumi Ue, técnica do Programa Nacional de Segurança do Paciente na Coordenação Geral de Atenção Hospitalar do Ministério da Saúde, o relato da experiência na África é importante porque mostra que “se pode fazer muito mesmo com poucos recursos”.

– Aqui no Brasil precisamos de multiplicadores do conceito de cuidado com o paciente – afirma Luciana.

Em sua fala de abertura, Elenara Ribas, líder do Projeto Paciente Seguro do Hospital Moinhos de Vento, disse que começam pelas pessoas os processos para se evitar a ocorrência de eventos adversos.

– Compartilhar é a palavra deste encontro, por isso estão aqui 15 hospitais e cerca de 350 pessoas, que serão replicadoras de boas práticas – enfatiza Elenara.

O projeto “Implantação do Programa de Segurança do Paciente e Desenvolvimento de Ferramentas de Gestão, Educação e Práticas Compartilhadas” é desenvolvido por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS) para melhorar a segurança do paciente em hospitais públicos em todo o país, com base no Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP).

Também estiveram presentes no evento Ana Cristina da Cunha Wanzeler, diretora do Departamento de Economia da Saúde, Investimento e Desenvolvimento do Ministério da Saúde, Marcelo Oliveira Barbosa, diretor substituto eventual do Departamento de Atenção Hospitalar e Urgência do Ministério da Saúde, e Tatiana Razzolini Breyer, coordenadora da Atenção Hospitalar da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre.

No intervalo entre painéis e debates houve a comemoração pelos quatro anos do Programa Nacional de Segurança do Paciente, que serão completados neste dia 1º de abril.

Fonte: Critério
Autor: Andressa Dorneles
Revisão e edição: de responsabilidade da fonte
Autor da foto: Soraia Hanna


Imprimir Enviar link

   
     
 
Comentários
 0 comentários


   
       
     



     
   
     
   
     
 


































 
     
   
     
 
 
 
     
 
 
     
     
 
 
       

R. Dr. Flores, 263 - cj 1101
Centro Porto Alegre - RS, 90020-120
+55 (51) 2160-6581 e 99997-3535
appel@consumidorrs.com.br